Roteiro – Cinco dias em Istambul

O nome Istambul tem origens no grego antigo e pode ser traduzido simplesmente por “na cidade”, ou “à cidade”. A antiga, Bizâncio e também Constantinopla carrega uma história que remonta a milhares de anos. Ela é a única cidade do mundo situada em dois continentes diferentes, metade na Europa e a outra no continente asiático e concorre com Londres como uma das cidades mais populosas do mundo. Historicamente cosmopolita, a cidade está entre os destinos europeus mais procurados e concentra a grande maioria de suas atrações em sua parte europeia, e é nesse lado que vamos focar hoje, com uma sugestão de roteiro para cinco dias, na maior cidade da Turquia e uma das maiores do mundo.

Dia 1 – Mesquita Azul e Museus Arqueológicos de Istambul

Mesquita Azul.

Mesquita Azul.

O primeiro dia do nosso roteiro começa em um dos pontos mais conhecidos de Istambul, a Mesquita Azul, no centro histórico da cidade. A construção é uma das obras arquitetônicas mais famosas da Europa e é composta por um complexo de prédios antigos que incluí um hospital, fontes d’água, bazar, sauna e até um hospício. Possui uma cúpula com 43 metros de diâmetro e 23 metros de altura, além de 20.000 lâmpadas de porcelana em seu interior. O nome “Mesquita Azul” é uma referência aos azulejos e vitrais azuis que decoram a sua construção. Um dos locais mais visitados da cidade e de toda a Europa.

Museu Arqueológico de Istambul

Museu Arqueológico de Istambul.

O próximo destino do primeiro dia são os museus arqueológicos de Istambul, compostos por três construções distintas: O Museu Arqueológico propriamente dito, o Museu de Antiguidades Orientais e o do Quiosque Esmaltado. O primeiro é o mais antigo dos três e foi construído em 1881. No piso superior, exibe muitas peças em pedra e cerâmica e um tesouro com mais de 800 mil moedas, além de uma grande biblioteca. No térreo encontram-se muitas tumbas famosas e estatuas gregas antigas e da era bizantina.
O Museu de Antiguidades Orientais exibe uma coleção enorme de obras da Anatólia, Mesopotâmia, Egito e Arábia, além de mais de 75 mil peças em escrita cuneiformes. O último dos três museus é o do Quiosque Esmaltado, que apresenta o famoso Quiosque dos Azulejos, construído em 1472, sendo uma das construções mais antigas da era otomana que ainda resiste ao tempo. Decorado com azulejos esmaltados, o quiosque expõe mais de 2000 peças de cerâmicas chinesas antigas.

Dia 2 – Basílica de Santa Sofia, Cisterna da Basílica e Hipódromo

Basílica de Santa Sofia.

Basílica de Santa Sofia.

O segundo dia se inicia com mais uma parada obrigatória para quem visita a cidade, a Basilica de Santa Sofia. Também conhecida como Hagia Sophia, essa construção é um monumento que surpreende por sua arquitetura icônica. Ela foi finalizada no ano 360 d.C. e já abrigou a fé de religiões distintas, passando pelo cristianismo e transformada em mesquita, com características islâmicas em 1453, quando o império Otomano tomou o poder no país.

Interior da Basílica de Santa Sofia.

Interior da Basílica de Santa Sofia.

O interior da é deslumbrante e apresenta muitos traços da história religiosa da Turquia. Observe os quatro minaretes e o enorme domo central que fazem com que a igreja se destaque em meio à paisagem de Istambul.

Cisterna de Basílica.

Cisterna da Basílica.

Depois de visitar a Basílica, faça uma caminhada de quatro minutos e chegue a mais um cartão postal da metrópole turca, estamos falando da Cisterna da Basílica. O lugar foi construído no ano de 532 e serviu para armazenar água para a cidade, durante o Império Bizantino. A construção permanece em perfeito estado até hoje, uma surpresa para um local que já armazenou aproximadamente 100.000.000 de litros d`água no passado, que forneciam água para os palácios e alguns prédios da cidade. Vazia hoje em dia, foram construídas passarelas aqui, para que o visitante possa ter contato com a atmosfera sombria e úmida do lugar. Detalhe para os pés das colunas, que apresentam rostos de medusas, com traços de estátuas romanas. A lenda diz que esses rostos serviam para espantar monstros aquáticos.

Hipódromo e Obelisco de Teodósio.

Hipódromo e Obelisco de Teodósio.

Saindo da escuridão da Cisterna da Basílica, caminhe por mais 3 minutos e você chegará ao Hipódromo, uma das praças mais bonitas e históricas de Istambul, que já foi usada para eventos e corridas no passado. Construído no século três, ele já recebeu mais de 100.000 espectadores para corridas de cavalo e eventos da corte do Império Bizantino. Pouco restou do seu formato original, mas o traçado da pista ainda está aqui e você pode seguir, imaginando como era estar no meio do hipódromo original, e respirar um pouco mais da história de cidade. Entre outras atrações, temos aqui um dos monumentos mais antigos da Turquia, o Obelisco de Teodósio, construído no Egito e trazido para Istambul no século IV.

Dia 3 – Grand Bazar, Palácio de Topkapi e Museu de Arte Turca e Islâmica

Grand Bazar.

Começamos o terceiro dia em um ponto que remete muito aos costumes cotidianos do povo turco, o Grand Bazar, um grande mercado coberto de Istambul. Através de um de seus 21 portões você poderá entrar e conhecer mais de 3000 lojas espalhadas por 60 corredores. Entre os produtos de maior destaque estão os tapetes persas, especiarias, objetos decorativos de latão, cerâmica, ladrilhos, cinzeiros, cachimbos, além de cafés e restaurantes, onde é possível apreciar iguarias da gastronomia turca. Conhecidos por serem bons vendedores, os comerciantes vão fazer de tudo para você levar alguma coisa e você poderá negociar nos preços, já que eles são super abertos para isso.

Palácio de Topkapi.

Palácio de Topkapi.

Depois de descobrir esse grande mercado de Istambul, com uma caminhada de 20 minutos, encontraremos um dos palácios mais conhecidos da cidade, o Topkapi. No passado, essa foi a casa oficial dos sultões otomanos durante 400 anos e até hoje o palácio é um dos mais conservados de Istambul. Ele fica no local em que a cidade começou e é um convite para passear pela história otomana na Turquia. Fazer uma visita aqui é conhecer a intimidade da vida dos sultões do passado. Tudo é grandioso, do harem, aos 40 cômodos dedicados a mãe do sultão, passando por 12000 peças de porcelana chinesa e japonesa, expostas na cozinha. Não perca a visita às áreas externas e a vista deslumbrante da cidade, do estreito de Bósforo e do Mar de Mármara.

Museu de arte turca e islâmica.

Museu de Arte Turca e Islâmica.

Pertinho do palácio você encontra o Museu de arte turca e islâmica. Aberto em 1914, ele funcionou na Mesquita Süleymaniye até 1983, quando foi transferido para o Palácio de Ibrahim Pasha, onde está até hoje. O prédio da era otomana já é uma atração à parte e por aqui você vai encontrar muitos objetos que contam a história da Turquia, como tapetes, alcorões, escritas antigas em ouro, vasos, objetos de madeira e cerâmica, além de peças da antiga Mesopotâmia.

Dia 4 – Torre Gálata, Bazar das Especiarias e Ponte de Gálata

Torre Gálata.

Torre Gálata.

O penúltimo dia do nosso roteiro começa com uma das vistas mais bonitas de Istambul, na Torre Gálata. Situada no bairro de Beyoğlu. A torre, construída em 1348 era usada para prevenir ataques inimigos e com o seus tem 70 metros de altura, lá de cima é possível ter uma vista panorâmica da cidade, para o Estreito de Bósforo, o Chifre de Ouro, além do lado asiático de Istambul.

Bazar de Especiárias.

Bazar das Especiárias.

Passando pela ponte de Gálata (já vamos falar mais dela), a 17 minutos de caminhada, você encontra outro mercado conhecido de Istambul, o Bazar das Especiarias ou Mercado Egípcio. Menor que o Grand Bazar, ele não deixa de ser uma atração incrível, já que aqui você pode encontrar uma grande variedade de temperos, especiarias, castanhas, frutas secas, doces e souvenirs que se misturam, formando um grande cenário cheio de cores e aromas, espalhados por 100 lojas diferentes.

Ponte de Gálata.

Ponte de Gálata.

Para terminar o dia pertinho dali, está a Ponte de Gálata. Esse é o caminho usado por moradores dos distritos do norte da cidade para chegar a pé até o Centro Histórico. O projeto inicial foi feito por ninguém menos que Leonardo da Vinci, em 1502, porém por ser muito complexo para os padrões da época, foi deixado de lado, sendo substituído por outro definitivo somente em 1854, que em 1994 passou por uma reforma, e a inclusão de mais um nível na ponte.
É comum encontrar pessoas pescando por aqui e vendedores oferecendo souvenirs e guloseimas típicas. O nível inferior abriga alguns bares, cafés e casas de narguilé e é um ponto muito procurado por quem quer curtir o pôr do sol, admirando o cenário deslumbrante de Istambul.

Dia 5 – Palácio Dolmabahçe, Ponte de Bósforo e Estreito de Bósforo

Palácio Dolmabahçe.

Palácio Dolmabahçe.

Como muitas das atrações principais da cidade, a primeira parada do nosso último dia de roteiro em é simplesmente grandiosa e faz jus à fama megalomaníaca atribuída às construções do Império Otomano. O Palácio Dolmabahçe foi a sede da família real, que se mudou do Palácio de Topkapi para outro, ainda maior e mais imponente. A construção que foi iniciada em 1843 tem um estilo arquitetônico mais moderno, se comparado ao outro palácio. A sede do império e conta com 285 quartos (sim!), e mais de 40 salões. Tudo aqui é grandioso, da escadaria de cristal ao lustre de 75 lâmpadas, presente da Rainha Vitória. Foi no palácio que faleceu Mustafa Kemal Atatürk, fundador da Turquia, em 1938. Todos os anos, o país para as 09h05 da manhã, na data em que Mustafa se foi, para homenagear esse grande líder.

Ponte de Bósforo.

Ponte de Bósforo.

Não muito distante daqui, está o nosso próximo ponto e elo entre dois continentes, o europeu e o asiático. A Ponte de Bósforo foi a primeira a unir continentes distintos. Inaugurada em 1973, a construção tem cerca de 1,5 km de extensão e você pode pegar um ônibus que liga os dois lados para atravessar, apreciando a vista magnifica de Istambul. Se preferir, existe uma corrida que acontece todos os anos, no mês de outubro, onde os participantes fazem o percurso a pé de um continente ao outro. Se possível, espere até o anoitecer para ver a construção com uma iluminação especial.

Estreito de Bósforo.

Estreito de Bósforo.

Finalizamos o nosso roteiro com a sugestão de um passeio de barco pelo Estreito de Bósforo. Ele liga o Mar Negro ao Mar de Mármara e é um ponto estratégico em termos econômicos e políticos. O estreito é um marco natural que divide a Europa da Ásia e fazer um passeio de barco aqui permite que você tenha vistas incríveis do lado oriental e ocidental de Istambul, além de conhecer um pouco mais da história da cidade, que já viveu períodos com crenças tão ricas e ao mesmo tempo contrastantes.

E aí, curtiu nossa sugestão de roteiro? Tem mais alguma dica de passeios em Istambul? Deixe o seu comentário!