Ao contrário do que muitos pensam, a capital da Turquia não é Istambul e, sim, Ancara.

 A Península da Anatólia foi habitada por diversas civilizações (e olha que não foram poucas): hititas, frígios, celtas, lídios, cimérios, gregos, persas, macedônios, romanos, bizantinos, curdos e turco-otomanos.

Na verdade, a região que compreende a moderna Turquia é habitada por grupos humanos desde a Idade da Pedra Polida, conhecida como Neolítico.

O povo turco-otomano começou a imigrar para a península da Anatólia – uma região da atual Turquia que é também conhecida como Ásia Menor – no século XI, ainda nos tempos do Império Bizantino.

Nem todo mundo sabe, mas turcos e otomanos são praticamente o mesmo povo. O termo “otomano”  veio do nome Osman, ou Otman (Uthman, em árabe). Otman (1 258-1 324) foi um líder que unificou as tribos turcas num império.

O nome Turquia derivou de Türk que, nas antigas línguas turcomanas, significava “ser humano” ou “forte”.

O Império Otomano englobava partes da Europa (Balcãs e Cáucaso), Norte da África e Oriente Médio. Foi durante os séculos XVI e XVII um dos mais poderosos impérios do mundo.

Os otomanos eram relativamente tolerantes com as religiões (entenda-se cristianismo ortodoxo e judaísmo, principalmente) e as tradições dos povos dominados. Entre esses povos podemos citar os sérvios, croatas, macedônios, eslovenos, gregos, magiares, bósnios, búlgaros, armênios, ucranianos, curdos e árabes.

Pode parecer estranho para muita gente, mas não é: Istambul (Turquia), Sofia (Bulgária), Atenas (Grécia), Bagdá (Iraque),  Alexandria (Egito) e Meca (Arábia Saudita) fizeram parte de um único império.

A capital do Império Otomano era Constantinopla, atual Istambul.

O Império Otomano durou séculos, mas ruiu em poucos anos. Seu fim ocorreu com o final da Primeira Guerra Mundial, com a derrota dos turcos-otomanos (detalhe: eles eram aliados da derrotada Alemanha).

O fundador da moderna República da Turquia foi Mustafá Kamal Pasha, ou Kamal Atatürk. Uma informação interessante: Atatürk  é um título e significa “pai dos turcos”.

A maioria dos habitantes da Turquia é, obviamente, de etnia turca. Mas o país possui um nada desprezível contingente de minorias formadas por gregos, armênios, curdos e árabes, entre outros povos.

Istambul é a maior metrópole da Turquia – e uma das maiores do mundo –, com 13 milhões de habitantes.

Você sabia que Istambul foi capital do Império Romano do Oriente, do Império Bizantino e do Império Otomano? Ela foi durante muito tempo chamada de Constantinopla – uma referência ao imperador romano Constantino.

A língua turca pertence ao grupo linguístico altaico e é falada atualmente em 34 países, além da própria Turquia. Existem grandes contingentes de falantes na Alemanha, país com muitos imigrantes turcos. Outro país que abriga um grande número de falantes de língua de origem turca é a China (são os uigures, um dos maiores contingentes populacionais da Província de Xinjiang). Entre os países que usam a língua turca estão Azerbaidjão, Tadjiquistão e Turcomenistão.

Muitos historiadores e religiosos acreditam que a famosa Arca de Noé aportou no Monte Ararat, no Leste da Turquia.

Acredita-se também que última casa de Maria, mãe de Jesus, ficava na Turquia – mais precisamente em Selçuk.

São Jorge, o mítico santo guerreiro venerado por milhões de brasileiros nasceu no século III na região turca da Capadócia.

Um dos maiores pregadores do cristianismo, o apóstolo Paulo, nasceu no sul da Turquia, mais precisamente na cidade de Tarso. Por isso, era chamado de Paulo de Tarso (seu nome original é Saulo, portanto, Saulo de Tarso).

Outro santo nascido em território turco foi São Nicolau, o padroeiro da Rússia, Noruega e Grécia. Chamado de Nicolau de Mirra, foi ele quem deu origem ao atual mito de Papai Noel.

As sete igrejas citadas no livro bíblico do Apocalipse (as Congregações de Revelações) ficavam na Turquia. São elas: Éfeso, Esmina, Filadélfia, Pérgamo, Tiatira, Sardes e Laodiceia.

O povo gálata habitava a região chamada pelos romanos de Galácia, localizada no centro da atual Turquia. Os gálatas eram descendentes de tribos gaulesas oriundas do oeste europeu. Hoje em dia, eles são mais lembrados pelas epístolas do apóstolo Paulo aos gálatas.

O nosso conhecido churrasco grego é chamado em outros países de churrasco turco. Motivo: foram os turcos os seus verdadeiros criadores.

Duas das sete maravilhas do mundo antigo ficavam na atual Turquia. São elas: o Mausoléu de Halicarnasso e o templo de Artêmis, em Éfeso.

A famosa cidade de Troia também fica na Turquia. Além do sítio arqueológico de Troia, há no lugar uma estátua que remete ao velho mito do Cavalo de Troia.

Foram os turcos que introduziram o café na Europa e levaram as tulipas para a Holanda.

Os turcos são extremamente hospitaleiros. Para eles, um estranho na porta de casa é um convidado de Deus e, por isso, deve ser acomodado e tratado convenientemente.

A palavra Orkut veio de Orkut Büyükköten, o programador de origem turca responsável pela criação dessa rede social.

Todos os habitantes do antigo império otomano eram considerados turcos. Por isso, os imigrantes sírios e libaneses (árabes, portanto) que vieram para o Brasil eram chamados de turcos.

A estrela e a lua crescente na bandeira da Turquia representam o islamismo, região praticada pela maioria da população turca.

Istambul é a única cidade do mundo situada em dois continentes, a Ásia e a Europa. Basta atravessar o estreito de Bósforo para ir de um lado ao outro da cidade e, ao mesmo tempo, atravessar dois continentes.

Comprada pela Band em 2 014, Mil e Uma Noites foi a primeira novela turca exibida no Brasil.

Fonte: maiscuriosidade